Archive for category Ressurreição

17-9-2017 – O Último Grande Dia

Mensagem de Sábado

O Último Grande Dia é a última Festa do Outono de Deus. Ele é celebrado por 1 dia e começa logo após o final da Festa de Tabernáculos. Este dia é ensaiado com água que representa o Espírito Santo de Deus. O Sumo-Sacerdote descia do Monte do Templo, pegava água do Tanque de Siloam e levava de volta ao Monte do Templo. Lá ele derramava a água ao redor da Arca. Isso simboliza que o Espírito Santo vai ser dado ao povo de Deus com porção dobrada. É nesta época, onde acontecem as últimas chuvas que tem porção dobradas das chuvas do verão. O Último Grande Dia também é o dia da ressurreição dos mortos e do julgamento.

Vídeo:

Ep25 – O Último Grande Dia

 

Sugestão para Leitura

“Ao Oitavo Dia tereis santa convocação”(pdf)

 O Último Grande Dia

Categoria

Leave a comment

18-2-2017 – O Sangue de Jesus Ungiu a Arca da Aliança

Mensagem de Sábado

Introdução para o vídeo

caixa-de-pedra

Vídeo Episódio 11: A Festas da Primavera – A Arca da Aliança – O Mais Sagrado Foi Ungido foi colocado no site. O que os filmes mostram quando Jesus foi cortado do Seu lado e seu sangue caiu no chão, pergunte a você, ‘Isso é mesmo possível?’. Então o Filho de Deus, o único Cordeiro que Deus tem nos dado para o sacrifício de nossos pecados, como pode o sangue dele cair no chão onde todos passam e pisam Nele. Isso é impossível. Deus Pai jamais admitiria isso! 

Não! O sangue Dele passou por dentro das pedras nas quais foram abertas por causa do terremoto. Há 9 metros para baixo estava a Arca da Aliança que tinha sido colocada lá a mais de 500 anos por Jeremias. Tudo perfeitamente sincronizado que somente Deus consegue fazer.

Sim, o nosso Senhor morreu por nós e Seu sangue ungiu a Arca da Aliança no lado Oeste. Lembre que o Sumo Sacerdote jogava sangue de animal no lado Leste. Mas, o sangue de Cristo caiu do lado Oeste.

Que maravilha ver o nosso Messias preenchendo todos os detalhes das Festas Santas. Damos glória a Deus Pai porque Ele está nos revelando os Seus mistérios nesses finais dos tempos.

Vídeo

sangue-de-yeshua-ungindo-a-arca

Sugestão para Leitura

Cristo não morreu na Sexta-Feira (texto)

A Ressurreição Não Aconteceu no Domingo (texto)

A Arca da Aliança (vídeo com Ron Wyatt) (vídeo)

A Arca da Aliança e o Sangue de Cristo (texto)

Leave a comment

11-2-2017 – Messias Não Somente Morreu mas Preencheu Todos os Detalhes da Páscoa e Pães Asmos

Mensagem de Sábado

Introdução para o vídeo

passovercordeiro

Yeshua, Jesus, não somente veio aqui e morreu pelos nossos pecados. Ele estava preocupado em preencher a cada detalhe que acontece antes da Páscoa, na Páscoa, e depois e durante na Festa de Pães Asmos. Cada detalhe da semana da Páscoa que foi criada pelo rei Davi, foi cumprida. Então na medida que as coisas iam acontecendo no Templo e com o Sumo Sacerdote, Jesus estava preenchendo, do mesmo jeito, do outro lado. Nada ficou sem ser preenchido. Todas as palavras praticadas e todas as ações feitas pelo povo ensaiando, o que eles vem ensaiando por milhares de anos antes de Jesus, foram cumpridas por Ele. Nada faltou. Nem uma vírgula e nem um til. Tudo foi preenchido.

Vídeo

passoverritual

Sugestão para leitura (nesse site):

PÁSCOA:

Materiais para estudo: Está é a Páscoa do Senhor, Êxodo 12:48

Extra: Páscoa

FESTAS DOS PÃES ASMOS:

Materiais para estudo: Guardai pois a Festa dos Pães Asmos, Êxodo 12:17

Extra: Pães Asmos

Extra: Oferta de Movimento

Extra: O Casamento do Cordeiro com a Igreja

Leave a comment

Deus é família

            É incrível perceber que muitos nem mesmo entendem quem Deus é. Não sabem do porque eles vivem. Muitos sabem que esse Deus criou a terra e o universo. Sabem também que Ele criou o ser humano. Por que o homem foi criado? Por que a mulher foi criada? Essas são perguntas que passam despercebidas pelo povo.

Foi Deus que criou o casamento e isso está bem claro nas escrituras, “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne”, Gênesis 2:24. Esta é a passagem que mostra que Deus criou o casamento. Os dois são uma só carne. Sim, são seres diferentes, mas eles são um. E eles devem falar como um. Sim, vai haver argumentos porque eles pensam diferentes, mas no final de tudo, eles falaram como um. Esta é a união perfeita de dois seres diferente. Apesar de diferentes, eles falam como uma carne.marriage

Isso não é nenhum mistério, pois foi falado até mesmo por Cristo. Observe o que, por exemplo, Jesus falou a quando ele quis conhecer o Deus Pai, “Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai… Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras”, João 14:7-10. O que Cristo está falando claramente aqui é que duas pessoas que são diferentes mas pensam a mesma coisa são praticamente a mesma pessoa. Vocês já ouviram falar, por exemplo, de dois casais assim que viveram juntos por tanto tempo que praticamente pensavam a mesma coisa!

Assim deve ser entre os casais. Eles foram unidos no casamento e se tornaram um só carne, como Deus nos falou. Eles têm que fazer o possível para que o amor os una em Deus, em uma só carne, no coração e na mente. Tudo isso feito em Deus. O amor feito entre casal sem a participação de Deus, esse amor fracassará. Deus tem que ser amado primeiro para que o amor seja derramado de Deus para o casal – aqui está o amor perfeito e que fará deles uma só carne. Isso é um mistério que poucos entendem.

1. Pode o casal se tornar uma carne sem a presença de Deus?

Comentário: É claro que não. Apesar de Deus unir os casais e eles se tornarem uma só carne, eles não permanecerão como uma só carne se eles não ficarem perto de Deus. Na medida em que o casal começa a se distanciar de Deus, também a carne fará a mesma coisa. Depois que Deus juntar o casal em uma só carne, se eles ausentarem da presença de Deus, a carne irá se afastar uma da outra e chegará a um ponto onde a carne se separará por completo. E somente com a presença de Deus, obedecendo todas as palavras de Deus, que é garantido que os casais irão viver juntos e feliz para sempre. A carne se alegrará com a presença de Deus.

 Cristo é o esposo da igreja

             Notem por exemplo que o próprio Cristo é o esposo da igreja. Paulo fez essa analogia entre Cristo e a igreja (aqueles que amam e obedecem todas as palavras de Deus)…

             “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor;

             Porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.

             De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos.

             Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela…

             Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.

     marriage couple       Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.

             Porque nunca ninguém odiou a sua própria carne; antes a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja;

            Porque somos membros do seu corpo, da sua carne, e dos seus ossos.

            Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne.

            Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja”, Efésios 5:22-32.

Como disse Paulo grande é o mistério entre o marido e a mulher e Cristo e a igreja. A Bíblia mostra que Cristo é o marido e a igreja é a esposa. Novamente simbolizando um casamento, nesse caso, espiritual. O homem tem que tratar sua esposa do mesmo jeito que Cristo tratou a igreja e deu Sua vida por ela.

Quando Cristo vier, Ele pegará para Ele sua esposa (igreja – aqueles que vivem na palavra de Deus) e os levará para o céu para apresentá-los a Seu Pai em uma grande festa de casamento. Esse casamento, a apresentação dos que viveram nas palavras de Deus e que estão prontos a entrarem na família de Deus, pode-se achar nessas escrituras…

            “Então Jesus, tomando a palavra, tornou a falar-lhes em parábolas, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um certo rei [Deus Pai] que celebrou as bodas de seu filho [Cristo]”, Mateus 22:1-2. Aqui mostra o que acontecerá no futuro e que haverá um casamento de Cristo com a igreja no Céu. Ou escrituras também falam isso, observe…

            “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro [Cristo], e já a suamarriage couple2 esposa [a igreja – àqueles que vivem conforme Deus – os filhos de Deus] se aprontou. E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos. E disse-me: Escreve: Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus”, Apocalipse 19:7-9.

Não podemos esquecer que o nosso próprio Salvador disse que Ele era o filho do Próprio Deus. Em muitos lugares nas escrituras, Cristo fala claramente que Ele foi enviado pelo Pai e que Ele estava fazendo as coisas que o Pai lhe disse e que Ele falava às coisas que o Pai lhe ensinou, note estas escrituras…

“E, se na verdade julgo, o meu juízo é verdadeiro, porque não sou eu só, mas eu e o Pai que me enviou”, João 8:16.

 “Disse-lhes, pois, Jesus: Quando levantardes o Filho do homem, então conhecereis que EU SOU, e que nada faço por mim mesmo; mas isto falo como meu Pai me ensinou”, João 8:28.

“Eu falo do que vi junto de meu Pai…”, João 8:38.

    Jesus é o primeiro nascido na Família de Deus

             As escrituras indica claramente que Jesus foi o primeiro nascido na família de Deus. Deus Pai está criando a Sua família e desde o tempo de Adão e Eva, Deus vem escolhendo àqueles que seguem todas as palavras de Deus porque eles amam a Deus e a tudo que Deus fala. Esses vivem por amor ao Deus vivo e muitos deram e darão suas vidas por Deus. Eles serão ressuscitados para a família de Deus…

             “… pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição [primeira]; E outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (Dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, Provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados”, Hebreus 11:35-40.

Sim todos estes, desde Abel até a volta de Cristo, que viveram, vivem e viverão de acordo com todas as palavras de Deus, eles serão ressuscitados por Cristo em Seu segundo retorno; Cristo os levarão para a presença do Pai onde serão apresentados ao Pai pela primeira vez. Este casamento no céu será magnífico e muito glorioso. Você será parte dele?

Nessa família sendo criada, Cristo foi o primeiro que entrou nela; sendo Ele o primeiro a ser ressuscitado nela, “E ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio e o primogênito [primeiro nascido] dentre os mortos [a igreja – os que vivem ou viveram conforme Deus], para que em tudo tenha a preeminência”, Colossenses 1:18.

             Não há como negar…

             JESUS ERA, e É, O FILHO DO DEUS VIVO – literalmente, e o PRIMEIRO ressuscitado dentre os muitos que ainda irão para família de Deus.

 Deus é uma família.

 

Leave a comment

A Festa dos Primeiros Frutos

A FESTA DOS PÃES ASMOS

 A Festa dos Pães Asmos é uma Festa que é mencionada por Deus junto com a Festa de Tabernáculos e Festa de Pentecoste onde teremos que comparecer na presença de Deus todo o ano, “Três vezes no ano me celebrareis festa. A festa dos pães ázimos guardarás; sete dias comerás pães ázimos, como te tenho ordenado, ao tempo apontado no mês de Abibe; porque nele saíste do Egito; e ninguém apareça vazio perante mim”, Êxodo 23:14-15.

Podemos perceber a distinção aqui que Deus faz. Dentre as sete Festas somente estas três Ele requeri que comparecemos perante Ele. Com certeza o significado destas três Festas são mais destacados do que as outras – apesar de todas serem importantes.

Essas duas Festas, Pães Asmos e Tabernáculos, são bem parecidas. Elas têm sete dias completos onde o primeiro e o último dia é santo – devemos comparecer perante Deus com ofertas. Vemos então que elas têm muitas assimilações. O significado profético delas deve ser bem parecido.

Note a data que Deus disse que devemos celebrá-los, “E a festa da sega dos primeiros frutos do teu trabalho, que houveres semeado no campo, e a festa da colheita, à saída do ano, quando tiveres colhido do campo o teu trabalho. Três vezes no ano todos os teus homens aparecerão diante do Senhor DEUS”, Êxodo 23:16-17.

Deus fez a distinção destas Festas da seguinte maneira: uma será celebrada no início da colheita do ano (a Festa da sega dos Primeiros Frutos) e o outro no final da colheita do ano (A Festa da Colheita).

 A Festa da Sega dos Primeiros Frutos

Como vemos, a Festa dos Primeiros Frutos é outro nome para a Festa dos Pães Asmos.

Em relação à Festa de tabernáculos, a Festa dos Primeiros Frutos acontece na primavera, no início do ano enquanto a Festa de tabernáculos acontece no final do ano, Outono. Ela é literalmente chamada por Deus como Festa dos Primeiros Frutos.

Fisicamente, a Festa deve ser celebrada dessa maneira: não podemos comer nada que cresci quando cozinhamos ou qualquer coisa que usa fermento como bolo, etc, “A festa dos pães ázimos guardarás; sete dias comerás pães ázimos, como te tenho ordenado, ao tempo apontado do mês de Abibe; porque no mês de Abibe saíste do Egito”, Êxodo 34:18.

“Sete dias comerás pães ázimos, e ao sétimo dia haverá festa ao Senhor. Sete dias se comerá pães ázimos, e o levedado não se verá contigo, nem ainda fermento será visto em todos os teus termos”, Êxodo 13:6-7.

Como próprio nome indica, Pães Asmos, significa sem fermento. Vemos que Deus nesta Festa de Pães Asmos não quer que comamos nada que tem fermento ou que cresci pois o fermento simboliza o pecado, “Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade”, 1 Coríntios 5:8.

 Mas o que profeticamente esta Festa dos Primeiros Frutos significa?

 Os Primeiros Frutos – os primeiros chamados

No plano que Deus tem para a humanidade, Ele claramente  fala que haverá os que estão sendo chamados hoje em dia para fazer parte de Sua família. Esses são chamados Primeiros Frutos porque eles estão sendo chamado antes do resto da humanidade que acontecerá mais tarde – na Festa de Tabernáculos.

Perceba que o apóstolo Paulo fala claramente sobre eles como sendo os primeiros a serem chamados por Deus, “Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados”, Efésios 4:1. Ele fala mais desse grupo de pessoas, “Por isso também rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos da sua vocação [chamada]”, 2 Tessalonicenses 1:11.

O apostolo Pedro também fala de nossa chamada. Os Primeiros Frutos estão sendo chamados agora, como à sega da primeira colheita do ano para obedecer a Deus e manter todas Suas leis e mandamentos e tudo que sai da boca de Deus. Sim a chamada dos Primeiros Frutos esta acontecendo agora, neste exato momento.

Deus está dando conhecimento sobre Ele e vendo se aqueles que estão recebendo estes ensinamentos estão, na realidade, colocando eles em prática em suas vidas. Os caminhos de Deus exigem uma mudança na maneira carnal que somos.

Por isso eles nesse momento estão sendo julgados para fazerem parte dos Primeiros Frutos de Deus a serem chamados, “Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo”, 2 Pedro 1:10-11.

Cristo é o primeiro dos Primeiros Frutos

            Cristo é o primeiro nascido dos Primeiros Frutos. Deus assim queria para que Ele que criou todas as coisas também o primeiro a fazer parte da família de Deus, “Mas de fato Cristo ressuscitou dentre os mortos, e foi feito as primícias dos que dormem”, 1 Coríntios 15:20.

 “Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas”, Tiago 1:18.

 “Isto é, que o Cristo devia padecer, e sendo o primeiro da ressurreição dentre os mortos, devia anunciar a luz a este povo e aos gentios”, Atos 26:23.

 A Primeira Ressurreição é dos Primeiros Frutos

A Bíblia fala claramente que haverá a primeira ressurreição. Esta ressurreição são aqueles que já morreram zelando, obedecendo e agindo conforme as palavras de Deus. Eles viveram uma vida justa em Deus. Muitos morreram e hoje espera a chamada da salvação deles. Eles serão chamados na primeira ressurreição, “Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição”, Apocalipse 20:5.

Esta ressurreição é a melhor do que a segunda onde o resto da humanidade que nunca ouviram falar em Jesus o que não foram chamados por Deus, terá a chance deles de viverem de acordo com as palavras de Deus, “Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos”, Apocalipse 20:6

Sim, a primeira ressurreição acontecerá e todos aqueles que morreram ou estão vivendo de acordo com Deus, serão chamados e encontrarão Jesus no ar, “Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor”, 1 Tessalonicenses 4:17.

A Festa dos Pães Asmos – Primeira Ressurreição – Primeiros Frutos

A Festa da sega dos primeiros frutos do solo são os primeiros seres humanos que quando foram chamados, ouviram e obedeceu a voz de Deus e mudaram suas vidas. Para essas pessoas Deus tem criado uma melhor ressurreição – a primeira ressurreição.

Eles neste momento estão lutando contra Satanás e o mundo como também contra a própria natureza humana que temos. Não é nada fácil. Na segunda ressurreição, não teremos Satanás mais e os Primeiros Frutos estarão aqui na terra reinando com Cristo. O ambiente como pode perceber é bem melhor. Os Primeiros Frutos junto com Cristo não admitiram qualquer tipo de males que existem hoje em dia. Se alguma pessoa quiser fazer alguma coisa, simplesmente ouviram um aviso para não fazer o mal, “E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda”, Isaías 30:21.

Leave a comment

A Ressurreição não aconteceu no Domingo! Parte 2

A definição bíblica

 Apesar disso, a definição bíblica da duração de “noites e dias” é simples.

Esses mesmos críticos especialistas admitem que no hebraico, idioma em que o livro de Jonas foi escrito a expressão “três dias e três noites” significam um período de 72 horas – três dias de doze horas e três noites de doze horas.

Note, pois, em Jonas 1:17: “Preparou, pois, o SENHOR um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe.” Isso, os críticos admitem, foi um período de 72 horas. E Jesus afirmou categoricamente que como Jonas esteve três dias e três noites no ventre do grande peixe assim também Ele ficaria o mesmo espaço de tempo dentro da sepultura.

Jonas esteve 72 horas na “sepultura”. Depois Ele foi ressuscitado por Deus milagrosamente ao ser vomitado na praia – tornando-se o “salvador” do povo de Nínive quando lhes proclamou a advertência divina. Assim também, Jesus ficaria 72 horas na sepultura para dali ser ressuscitado por Deus e se tornar o Salvador do mundo.

Será que Jesus sabia quantas horas há em um “dia” e em uma “noite? Jesus respondeu, Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; Mas, se andar de noite, tropeça, porque nele não há luz”, João 11:9-10.

Note a definição bíblica da expressão “o terceiro dia”. O exame de texto após texto nos demostra que Jesus ressuscitou ao terceiro dia. Note como a Bíblia define o tempo necessário para completar “o terceiro dia”.

Em Gênesis 1:4-13, “E Deus chamou à luz Dia; e às trevas chamou Noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro. E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas. E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão; e assim foi. E chamou Deus à expansão Céus, e foi a tarde e a manhã, o dia segundo. E disse Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num lugar; e apareça a porção seca; e assim foi. E chamou Deus à porção seca Terra; e ao ajuntamento das águas chamou Mares; e viu Deus que era bom. E disse Deus: Produza a terra erva verde, erva que dê semente, árvore frutífera que dê fruto segundo a sua espécie, cuja semente está nela sobre a terra; e assim foi. E a terra produziu erva, erva dando semente conforme a sua espécie, e a árvore frutífera, cuja semente está nela conforme a sua espécie; e viu Deus que era bom. E foi a tarde e a manhã, o dia terceiro”.

Aqui encontramos a única definição bíblica que explica e calcula o espaço de tempo incluído na expressão “o terceiro dia”. Isto inclui três períodos de escuridão chamados “trevas” e três períodos de luz chamados “dia”- três dias e três noites. Jesus disse que cada dia continha 12 horas – um total de 72 horas.

Isso tem que ser conclusivo! Qualquer criança de sete anos de idade poderia calculá-lo facilmente.

 Qual é o erro?

 O que está errado com essas palavras simples e claras de Jesus? Como então, esses teólogos “prudentes e sábios” sabem que Jesus foi crucificado na “Sexta-feira” e ressuscitou no “Domingo de Páscoa”?!

A resposta simplesmente é: Eles não sabem – porque não é verdade! E meramente tradição, uma tradição que nos foi ensinada desde a infância e que descuidadamente temos aceitado! Jesus nos advertiu, em Marcos 7:13, a não invalidar, assim, a palavra de Deus pela nossa tradição.

Já examinamos duas testemunhas bíblicas da presença do corpo de Jesus na tumba, como sendo três dias e três noites, que a Bíblia claramente define como 72 horas. Agora vamos examinar mais quatro testemunhas bíblicas que provam a mesma coisa.

Note Marcos 8:31: “E começou a ensinar-lhes que importava que o Filho do homem padecesse muito, e que fosse rejeitado pelos anciãos e príncipes dos sacerdotes, e pelos escribas, e que fosse morto, mas que depois de três dias ressuscitaria”.

Se Jesus tivesse morrido na sexta-feira, e ressuscitado um dia depois, a ressurreição teria ocorrido no sábado à tarde. Se acontecesse depois de dois dias, teria caído no domingo a tarde, e se ocorresse DEPOIS DE TRÊS DIAS, a ressurreição teria caído na tarde de segunda-feira!

Examine o texto cuidadosamente! Mesmo que use qualquer método aritmético, de modo nenhum você encontrará um valor diferente de 72 horas (três dias e três noites) numa ressurreição que ocorreu três dias DEPOIS da crucificação.

Se Jesus apenas tivesse ficado na sepultura, do pôr do sol de sexta-feira (Sexta-feira da paixão) até o nascer do sol de domingo (Domingo de Páscoa), a conclusão teria sido que também esse texto deveria ser rasgado e tirado da sua Bíblia; de outra forma teríamos que admitir que Jesus foi um impostor e, assim, rejeita-Lo!

Note agora Marcos 9:31, “Porque ensinava os seus discípulos, e lhes dizia: O Filho do homem será entregue nas mãos dos homens, e matá-lo-ão; e, morto ele, ressuscitará ao terceiro dia”. Não poderia ser um segundo a mais do que 72 horas, para que Jesus ressuscitasse ainda ao terceiro dia. E não poderia ser do pôr do sol de sexta-feira até o nascer do sol de domingo, porque então seriam 36 horas, levando-nos apenas ao meio do segundo dia, após a morte.

Em Mateus 27:63, refere-se que Jesus havia dito, “Depois de três dias ressuscitarei”. O que significa que não poderia ser calculadas menos de 72 horas completas.

E em João 2:19-21, Jesus respondeu, e disse-lhes: Derribai este templo, e em três dias o levantarei. Disseram, pois, os judeus: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu o levantarás em três dias? Mas ele falava do templo do seu corpo”. Para ser levantado EM três dias, depois de ser destruído, ou crucificado e enterrado, não poderia ser mais do que 72 horas.

Se tivermos que aceitar todos os testemunhos bíblicos, teremos que concluir que Jesus esteve exatamente três dias e três noites – três dias inteiros de 24 horas cada um – 72 horas na sepultura,ou então, a única prova sobrenatural que Ele deu falhou.

 A hora da ressurreição

 Agora note cuidadosamente o seguinte: Para permanecer três dias e três noites – 72 horas – na sepultura, nosso Senhor tinha que ressuscitar na mesma horado dia em que o Seu corpo foi colocado na tumba.

Atendemos para esse fato importante!

Se encontrarmos a hora de Seu enterro, então poderemos saber a hora do dia da ressurreição. Se por exemplo, o enterro fosse ao nascer do sol, então, para que o corpo ficasse três dias e três noites na tumba, a ressurreição igualmente teria que ocorrer ao nascer do sol, três dias depois. Se o enterro fosse ao meio dia, a ressurreição seria ao meio dia. Se o enterro acontecesse ao por do sol, a ressurreição teria que ser ao pôr do sol, três dias depois.

O dia da crucificação era chamado “dia da preparação”, ou o dia antes do “Sábado” (Mateus 27:62; Marcos 15:42; Lucas 23:54). Esse dia terminava ao pôr do sol, de acordo com o cálculo bíblico (Levíticos 23:32).

Jesus “clamou com grande voz”, logo após a “hora nona”, que corresponde às três horas da tarde (Mateus 27:46-50; Marcos 15:34-37; Lucas 23:44-­46).

Entretanto, Jesus foi enterrado antes do final desse mesmo dia – antes do por do sol (Mateus 27:57-60; Lucas 23:52-54; João 19:42).

João adiciona, Ali, pois (por causa da preparação dos judeus, e por estar perto aquele sepulcro), puseram a Jesus”, João 19:42. De acordo com as leis observadas pelos judeus, todos os corpos mortos deveriam ser enterrados antes do começo do Sábado ou de um dia de festa solene. Por isso Jesus foi enterrado antes do par do sol do mesmo dia que morreu. Ele morreu logo depois das 3 horas da tarde.

Portanto – note cuidadosamente – o enterro do corpo de Cristo foi no final da tarde, entre 3 horas e o par do sol, como provam as escrituras.

E desde que a ressurreição tinha que ocorrer na mesma hora do dia, três dias depois, a ressurreição de Cristo, portanto, ocorreu não ao nasceu do sol, porém no final da tarde, próximo ao pôr do sol. Tão surpreendente quanto pareça, no entanto, essa é a pura verdade da Bíblia!

Se Jesus tivesse saído da tumba a qualquer outra hora, Ele não poderia ter permanecido três dias e três noites nela. E se isso tivesse realmente acontecido, só poderíamos concluir que Ele deixara de provar, pelo único sinal prometido, que Ele era verdadeiramente o Messias, o Filho de Deus-vivo.

Com a promessa desse sinal, Jesus colocou em jogo a Sua reputação. Portanto, mais uma tradição, ha longo tempo venerada, cai por terra.

Estudemos mais…

Leave a comment

A Ressureição não aconteceu no Domingo! Parte 1

Esteve Jesus Três dias e três noites na sepultura, como disse em Mateus 12:40?Poderá você calcular três dias e três noites entre o pôr do sol de “Sexta-feira Santa” e o nascer do sol do “Domingo de Páscoa”?

Hoje é comumente aceito que Jesus foi crucificado na sexta-feira e que ressuscitou aproximadamente ao nascer do sol na manhã do Domingo de Páscoa.

Entre os que professam o cristianismo quase ninguém pensa em indagar, ou provar, essa tradição de “Sexta-feira Santa” e “Domingo de Páscoa”. Porém a Bíblia nos admoesta a examinar (provar) todas as coisas (1 Tessalonicense 5:21).

Para encontrar a prova, só existe uma autoridade digna de confiança, somente um registo histórico – a Bíblia.

 A tradição nada prova

 Não houve testemunha da ressurreição. Mesmos os chamados “Padres Apostólicos” não possuíam fonte alguma de informação, a não ser esse registro que hoje esta a nossa disposição – a revelação bíblica. Qualquer tradição, portanto que esta em conflito com a revelação de Deus, tem que ser rejeitada.

Quais são os fatos registrados?

Duvidosos, os fariseus pediram a Jesus um sinal – uma evidência sobrenatural – uma prova do Seu caráter messiânico.

Jesus respondeu: Uma geração má e adúltera pede um sinal, porém, não se lhe dará outro sinal senão o do profeta Jonas; Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra”, Mateus 12:39-40.

Agora considere, por favor, a tremenda importância – o transcendente significado – da declaração de Jesus. Ele disse expressamente que o único sinal como prova de ser Ele o Messias seria apenas os três dias e as três noites que Ele, ou o Messias, permaneceria na sepultura, “no seio da terra”.

 O significado do sinal

 Esses fariseus que rejeitavam a Jesus exigiam provas. Jesus, porém, só lhes ofereceu uma evidência. Essa evidência não era o fato da ressurreição em sim o lapso de tempo que haveria de repousar na tumba, antes de ser ressuscitado.

Pense no que isso significa! Jesus colocou em jogo a Sua afirmação de ser o nosso Salvador, prometendo que iria ficar na tumba exatamente três dias e três noites. Se permanecesse três dias e três noites na terra, ou no túmulo, isso provaria que Ele era realmente o Salvador – do contrário, deveríamos rejeitá-Lo como um impostor.

Não é de admirar que Satanás tenha levado os incrédulos a zombarem da história de Jonas e a “baleia”! Não é de admirar que o Diabo tenha estabelecido uma tradição que nega que Jesus é o Messias!

 O dilema da alta crítica

 Essa única prova sobrenatural dada por Jesus como evidência do Seu caráter messiânico, tem perturbado grandemente os comentaristas e os altos críticos da Bíblia. Os seus esforços para racionalizarem, de forma satisfatória, essa única prova da divindade de Cristo, são ridículos ao extremo.

Tem que ser assim, pais eles precisam dar uma justificativa, senão suas tradições de “Sexta-feira Santa” e “Domingo de Páscoa” caem por água abaixo!

Uma comentarista concluiu: “Sabemos, é claro, que Jesus realmente só ficou na tumba metade do tempo que Ele esperava ficar!” Outros expositores se impõem a nossa credulidade, a ponto de quererem que acreditemos que “na língua grega, na qual o Novo Testamento foi escrito, a expressão ‘três dias e três noites’ indicam três períodos, seja de dia ou de noite”.

Jesus, dizem eles, foi colocado na sepultura pouco antes do pôr do sol de sexta-feira e ressuscitou ao amanhecer de domingo – duas noites e um dia.

Leave a comment