Dízimo, Parte II

Vimos até agora como dizimar numa sociedade de agricultura. Mas, como seria o dízimo aplicado hoje em dia onde a maioria da população não trabalha em agricultura. Temos estudado também que muitas pessoas têm dizimado excessivamente, dando muito mais do que as escrituras e Deus tem comandando. Lembra que Deus pede que dizimemos o INCREMENTO de nosso fruto de trabalho.

“Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Por que transgredis vós, também, o mandamento de Deus pela vossa tradição? Porque Deus ordenou, dizendo: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser ao pai ou à mãe, certamente morrerá. Mas vós dizeis: Qualquer que disser ao pai ou à mãe: É oferta ao Senhor o que poderias aproveitar de mim; esse não precisa honrar nem a seu pai nem a sua mãe, E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus”, Mateus 15:3-6.

Jesus Cristo disse que  nossa primeira obrigação é com Deus, mas mesmo assim você tem a obrigação com seu vizinho e isso inclui suas obrigações pessoais para pagar suas dívidas, operar um carro em boa manutenção e especialmente cuidar da família que família que Deus lhe abençoou.

“Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas”, Mateus 22:36-40.

Jesus disse que ter paz com os outros é MAIS IMPORTANTE do que qualquer presente que poderá dar a uma igreja, mesmo assim muitos dão uma quantidade enorme de presente e sentem-se justos e que ao mesmo tempo não se arrependem de ofender ou de ter receio amargura contra outros.

“Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta”, Mateus 5:23-24.

Nossa condição espiritual deve vir de Deus primeiro e não de nosso desejo de dinheiro! Temos que ter nossa prioridade espiritual em ordem para:

“Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”, Mateus 9:13.

Não podemos comprar nosso caminho ao Reino de Deus como alguns podem pensar.

Sim, as escrituras fala que Deus adora o que dá em boa atitude, mais esse parte da escritura mostra somente um lado e não é balanceada pois só mostra a atitude de dar aos outros; frequentemente negligenciando o segundo grande mandamento que é providenciar para a nossa própria família.

“Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel”, 1 Timóteo 5:8.

Qual era o exemplo pessoal de Paulo? Ele se tornou um peso na igreja por causa de seus gastos excessivos? NÃO.

Será que isso implica que ele não aceitava dízimos? NÃO.

Tenha muito cuidado em não pegar as escrituras de Paulo e se generalizar por causa de uma situação individual. Ele claramente disse que seria um peso maior nas igrejas maiores para que seu peso seja menor nas igrejas menores.

“Outras igrejas despojei eu para vos servir, recebendo delas salário; e quando estava presente convosco, e tinha necessidade, a ninguém fui pesado. Porque os irmãos que vieram da macedônia supriram a minha necessidade; e em tudo me guardei de vos ser pesado, e ainda me guardarei”, 2 Coríntios 11:8-9.

Paulo pegou dízimos e ofertas dos irmãos para apoiá-lo e as necessidades do evangelho, porque ele pregava que Jesus Cristo recebeu dízimos dos Levitas e do sacerdócio de Israel através de nosso pai Abraão; sendo assim mostrando que passamos do sacerdócio dos Levitas para o sacerdócio de Cristo! Incluindo o de receber os dízimos!

Agora, neste tempo não há mais sacerdócio, mesmo assim TODOS que estão sendo “chamados” estão EM TREINAMENTO para se tornarem sacerdócios e todos tem o direito de pegar dízimos para o povo! Os chamados também tem a obrigação de receber o dízimo de tudo que eles receberão de Jesus Cristo; no qual são Seus representantes.

Isto é o mesmo que Israel, onde os dízimos foram dados aos Levitas, que depois dizimaram no que eles receberam dando-os ao Sumo Sacerdote.

Como estudantes em treinamento, devemos praticar esse sistema.

“E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão. Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro”, Hebreus 7:5-10.

O livro todo de Hebreus mostra uma explicação das diferenças entre o Antigo e a Nova Aliança e como as mudanças ocorreram.

Cristo comandou a Seus discípulos que ensinem todo o homem a manter todos os mandamentos e serem batizados para o arrependimento, Mat 28. Ele também mandou outros durante Seu ministério para o nosso exemplo: Nós temos que ir e pegar o que está sendo oferecido para nós, onde formos recebidos e providenciados.

“Ide; eis que vos mando como cordeiros ao meio de lobos. Não leveis bolsa, nem alforje, nem alparcas; e a ninguém saudeis pelo caminho. E, em qualquer casa onde entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa. E, se ali houver algum filho de paz, repousará sobre ele a vossa paz; e, se não, voltará para vós. E ficai na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem, pois digno é o obreiro de seu salário. Não andeis de casa em casa. E, em qualquer cidade em que entrardes, e vos receberem, comei do que vos for oferecido. E curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes: É chegado a vós o reino de Deus”, Lucas 10:3-9.

Paulo responde os argumentos daqueles que questionam o dízimo. Note que ele claramente apela para a LEI e os direitos de um ministro e não implora por presentes e ofertas.

1 Cor 9:3- 16, “Esta é minha defesa para com os que me condenam. Não temos nós direito [autoridade ou direito]  de comer e beber? Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas? Ou só eu e Barnabé não temos direito [o direito de dedicar nós mesmos ao evangelho tempo integral] de deixar de trabalhar? Quem jamais milita à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta o gado e não se alimenta do leite do gado? Digo eu isto segundo os homens? Ou não diz a lei também o mesmo? Porque na lei de Moisés está escrito: Não atarás a boca ao boi que trilha o grão. Porventura tem Deus cuidado dos bois? Ou não o diz certamente por nós? Certamente que por nós está escrito; porque o que lavra deve lavrar com esperança e o que debulha deve debulhar com esperança de ser participante. Se nós vos semeamos as coisas espirituais, será muito que de vós recolhamos as carnais? Se outros participam deste poder sobre vós, por que não, e mais justamente, nós? Mas nós não usamos deste direito; antes suportamos tudo, para não pormos impedimento algum ao evangelho de Cristo. Não sabeis vós que os que administram o que é sagrado comem do que é do templo? E que os que de contínuo estão junto ao altar, participam do altar? Assim ordenou também o Senhor aos que anunciam o evangelho, que vivam do evangelho. Mas eu de nenhuma destas coisas usei, e não escrevi isto para que assim se faça comigo; porque melhor me fora morrer, do que alguém fazer vã esta minha glória. Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho!”

Será que o apóstolo Paulo fez outro tipo de trabalho? SIM ele fez! Mas, isso foi por causa de certas circunstâncias como também muitos ministros têm feito para sustentá-los também.

A questão a ser perguntada aqui não é se os ministros podem trabalhar se eles tiverem de fazer isso; a resposta é SIM! A pergunta real é se estamos fazendo nossas obrigações perante Deus.

Nós temos que dizimar de TODOS os nossos incrementos depois de tirar as dívidas necessárias que tivemos em nossos incrementos – deduzindo nossa moradia [aluguel ou mensalidade da casa], carro, etc.

Considere o que este método faz:

  • Ele alivia o pobre e necessitado e ajudam eles a preencher suas obrigações com suas famílias cumprindo a segunda Grande Lei. Isso reflete o amor verdadeiro de Deus e a misericórdia das viúvas e pobres.
  • Ele providência uma testemunha e exemplos; que os caminhos de Deus não é um caminho financeiro de escravidão, sofrimento e miséria. Uma igreja de Deus é conhecida pelo amor verdadeiro de Deus e também pelos seus irmãos! Realmente, se amamos Deus, devemos também amar nossas famílias e irmãos em OBRAS e NÃO somente em palavras ou emoções!
  • Esse método também mostra um caminho muito mais balanceado, no qual obedecemos AMBOS os dois Grandes Mandamentos.

O caminho de Deus não é pesado e ele não é um gênero de pobreza. Satanás tem atacado muitos e causado muito miséria, e nós temos contribuído com a nossa miséria em dar muito mais em nossos dízimos e ofertas.

Aqueles que são capazes podem dar mais ofertas; mas não dê mais do que pode!  

  1. Leave a comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: